A Condição das Mulheres entre os 20 e os 45 Anos à margem da Formação e do Trabalho: Uma breve análise

Introdução

A pandemia de COVID-19 trouxe consigo desafios sem precedentes para a sociedade, com repercussões significativas no mercado de trabalho e na educação, especialmente para as mulheres. Este artigo propõe-se a examinar a condição das mulheres com idades entre os 20 e os 45 anos que se encontram à margem do mundo da formação inicial e/ou contínua, bem como do mundo do trabalho, destacando a evolução desde o período da pandemia até aos dias de hoje.

Persistem as disparidades entre homens e mulheres

Durante o período do confinamento e restrições impostas pela pandemia de COVID-19, observou-se um impacto desproporcional nas mulheres em vários domínios, incluindo o acesso à formação e ao mercado de trabalho. As mulheres, que constituem a maioria dos trabalhadores em profissões relacionadas com a saúde e os cuidados, estiveram na linha da frente da resposta à pandemia. Ao mesmo tempo, as disparidades de género no empreendedorismo aumentaram, uma vez que os setores onde as mulheres estão concentradas (por exemplo, serviços pessoais, hotelaria e turismo) foram desproporcionalmente afetados. O encerramento de escolas e de estruturas de acolhimento de crianças aumentou a parte do trabalho não remunerado das mães, agravando as desvantagens e o stress no mercado de trabalho. (OCDE, 2023).

Relativamente à formação, os dados do Eurostat revelam que, durante o período de confinamento, muitas mulheres viram-se obrigadas a suspender os seus estudos devido a dificuldades de conciliação entre as responsabilidades familiares e as exigências académicas. Esta interrupção na formação inicial pode ter repercussões a longo prazo na empregabilidade e no desenvolvimento de carreira das mulheres afetadas.

À medida que o mundo começa a adaptar-se à nova realidade pós-pandemia, as mulheres entre os 20 e os 45 anos continuam a enfrentar desafios significativos no acesso à formação e ao mercado de trabalho. Embora, os dados mais recentes indiquem uma ligeira melhoria na taxa de emprego feminino, permanece uma lacuna substancial em comparação com os homens. A taxa de desemprego entre as mulheres ainda é superior à dos homens, evidenciando a persistência das disparidades de género.

No que diz respeito à formação contínua, a disponibilidade de programas e oportunidades de aprendizagem pode não ser igualmente acessível para as mulheres que enfrentam múltiplas responsabilidades, como cuidar da família e conciliar o trabalho remunerado. Este facto pode contribuir para perpetuar o ciclo de exclusão das mulheres do mercado de trabalho e limitar as suas perspetivas de progressão na carreira.

De acordo com o relatório apresentado pelo G7 sobre as boas práticas e os progressos realizados no cumprimento dos compromissos relacionados com a igualdade de género, “G7 Gender Equality Implementation Report 2023”, as mulheres continuam sub-representadas no mercado de trabalho. O mercado de trabalho continua a estar repleto de desafios relacionados com o género que impedem as mulheres de atingir o seu pleno potencial, prevalecendo o fosso salarial e o teto de vidro que as impede de chegar a cargos de chefia. A situação agrava-se relativamente às mulheres de minorias desfavorecidas que enfrentam mais barreiras para exercer um trabalho remunerado.

As desigualdades entre homens e mulheres têm frequentemente um efeito multiplicador, intensificando as desvantagens enfrentadas pelas mulheres e raparigas de diferentes grupos. Estas desvantagens atravessam muitas dimensões, como o estatuto de migrante, a raça, a etnia, a orientação sexual, a identidade de género e o estatuto de deficiência.

Mesmo que mais mulheres participem no mercado de trabalho, o peso das responsabilidades privadas e de cuidados, o trabalho não remunerado, continua a recair em grande medida sobre as suas costas. O aumento do número de horas de trabalho das mulheres não conduz normalmente a uma partilha mais equilibrada do trabalho doméstico e de prestação de cuidados entre homens e mulheres. Assim, quando se combina o tempo dedicado ao trabalho não remunerado (quotidiano, tarefas domésticas, incluindo a prestação de cuidados), em geral, as mulheres trabalham mais.

Promover a igualdade de género no acesso ao mercado de trabalho e formação

Para promover a igualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho e no acesso à formação, é imperativo adotar medidas políticas e estratégias que promovam e apoiem a conciliação entre a vida profissional e pessoal. Por outro lado, investir em políticas de proteção social, como creches acessíveis e licenças parentais remuneradas, pode ajudar a reduzir as barreiras que impedem as mulheres de participar plenamente no mercado de trabalho e na educação.

Os compromissos assumidos pelos países da UE no sentido de lutar pela igualdade de género e pelo empoderamento das mulheres e das raparigas em toda a sua diversidade incluem medidas destinadas a reduzir os obstáculos e a aumentar a participação equitativa e significativa das mulheres na força de trabalho e no empreendedorismo. Incluem ainda o apoio à liderança das mulheres nos sectores público e privado, programas educativos centrados nas escolhas educativas e iniciativas que combatam a violência baseada no género.

Conclusão

Em suma, a condição das mulheres entre os 20 e os 45 anos que se encontram à margem do mundo da formação e do trabalho continua a ser uma preocupação urgente, especialmente à luz dos desafios adicionais impostos pela pandemia de COVID-19. É fundamental que sejam implementadas medidas concretas para promover a igualdade de género e garantir que todas as mulheres tenham igualdade de oportunidades no acesso à formação e ao mercado de trabalho. Os governos e as organizações não podem combater adequadamente as disparidades de género sem desafiarem de forma transparente a dinâmica de poder no seio da cultura dos seus países.

Bibliography

24 de April de 2024

0 responses on "A Condição das Mulheres entre os 20 e os 45 Anos à margem da Formação e do Trabalho: Uma breve análise"

Leave a Message

Your email address will not be published. Required fields are marked *